.:: A Magia das Palavras ::.

“Escrever e pensar.
Pensar e recordar.
Recordar e escrever.
Recriar.
Criar.
Ah, aí está.
A criação é o desafio maior na guerra das palavras!
Mas não dá pra isolá-la. Sem palavras, é apenas um desvario que escorre pelo rio do tempo e desagua no esquecimento.
E as palavras? São as peças pra montar o quebra-cabeça.
Sem elas as criações são garranchos vazios, insólitos cartazes tão efêmeros e desapercebidos como a presença da rotina.
E há, ainda, o fundo sentimento que esmalta tudo isso.
Faço leituras admiráveis, de autores que me passam emoções realmente inesquecíveis.
Analiso-os em sua complexa simplicidade e vejo o quanto são cúmplices do tempo, mas acima de tudo, dos sentimentos universais.
Viver, certamente, é sentir essa ebulição maior que nos projeta delírios.
Mas, registrar, é algo mais sofisticado. É dar estilo ao delírio…
(…)
É por isso que coleciono no mais fundo de mim as medalhas dos heróis das letras.
Discriminados heróis, num mundo robotizado, que promove aparências e superfícies e afoga essências; que sufoca, no brilho de artificiais fogos-fátuos, o tesouro oculto das luzes interiores…”

(Maria Dinorah, ‘Coragem de Sonhar’, 3.ª edição, São Paulo, Editora Moderna, 1990.)

Este post é uma homenagem a minhas amigas* que conseguem sentir “essa ebulição maior que nos projeta delírios” e conseguem registrá-los com esta “complexa simplicidade” citada no texto acima despertando em mim emoções e sensações incríveis…

*Fabi, Vivi e Bruna