.:: Procurando Empatia ::.

Todos sabem o que é certo, o que é errado, mas ninguém pode saber exatamente o que é melhor pra você. Na maioria das vezes tampouco você sabe.

Algumas pessoas, por terem vivido várias experiências (inclusive algumas traumáticas) pensam que se a trama da história for igual, o desfecho também será sempre o mesmo. Estas pessoas se esquecem das infindáveis variáveis que existem em uma mesma trama e principalmente um fator importantíssimo: os personagens raramente são os mesmos e se cada um tem sua forma de pensar e reagir a um problema, por que pensar que tudo sempre será igual?

Como diz uma grande amiga: “Certeza e confiança são qualidades de quem está fora do problema.”[1] – quem não se encontra na situação sempre sabe o que é melhor, o que é apropriado, o que é certo. Difícil é dar um conselho usando verdadeiramente o conceito da empatia e mais difícil ainda é receber um.

Se coloca em meu lugar?!” – Esta frase vale uma reflexão.

Quando alguém diz isso, está se referindo a se imaginar na situação em que a pessoa se encontra, mas sendo exatamente esta pessoa, com todos os defeitos e qualidade, com a forma única e pessoal dela de ver o mundo e não imaginar a si mesmo como se estivesse naquela situação, com a percepção de mundo que é só sua.

Imaginando que você estivesse em tal situação, ficaria muito fácil saber o que deveria ser feito, contudo cada ser humano é conhecedor de seus limites e de seus valores, fazendo com que o impacto de uma ação assuma uma forma diferente para cada um.

Hoje sinto falta de pessoas que participem das minhas histórias, que compreendam, que me ouçam com empatia. Muitas vezes tenho dúvidas, incertezas, medos e até mesmo sonhos que gostaria de compartilhar. Acontece que quando resolvo transformá-los em palavras sempre me decepciono com as reações que se seguem.

Ao expor meus anseios e delírios, gostaria muito que as pessoas levassem em consideração o que se passa dentro de mim antes de me fazer críticas ou dar sugestões.

Com o tempo aprendi a ficar mais em silêncio, por mais que algumas vezes isso seja sufocante, pois infelizmente não é apenas no tribunal que o que você diz pode ser usado contra você.

Não quero conselhos sensatos, não quero que pensem no meu futuro. Quero apenas um colo, um abraço e um afago. Quero apenas ouvir: “Ei… não importa se você está certa ou errada… estou com você!”

[1] Viviani, a única que consegue lidar com meus devaneios com empatia… rs